Manejo a Taxa Variável de Nitrogênio em Trigo

Olá amigos do agro digital! A finalização da colheita de verão permite calma no planejamento para a safra de trigo no inverno, um dos fatores fundamentais nesta etapa é a adubação nitrogenada. A adubação em cobertura com nitrogênio (N) é adotada para maximizar o potencial produtivo da cultura do trigo (Triticum aestivum L.). Este nutriente desempenha inúmeras funções na fisiologia da planta, sendo constituinte de paredes celulares, clorofila, proteínas, ácidos nucléicos e outros componentes da célula. A deficiência de nitrogênio na planta causa clorose das folhas, devido à redução do conteúdo de clorofila. Além disso, sua deficiência resulta em folhas menores e em menor afilhamento, rendimento de grãos e teor de proteína nos grãos.

A adubação nitrogenada em trigo é baseada no, tipo de solo, potencial produtivo do cultivar, teor de matéria orgânica do solo, cultura antecessora e expectativa de produtividade. Sabendo da existência de variabilidade espacial e temporal desses indicadores em áreas agrícolas, geralmente, opta-se por aplicar maiores doses de N em cobertura para garantir elevados rendimentos. Em consequência, a dose de N estabelecida e aplicada de forma homogênea para toda a área pode levar a limitações ou excessos no suprimento deste nutriente. Levando isto em consideração, para se obter melhor produtividade e rentabilidade torna-se útil e necessária a distribuição à dose variada de N para o aumento da eficiência da fertilização nitrogenada e diminuição dos impactos ambientais e financeiros pelas perdas desse elemento.

Para ser possível a utilização deste manejo, é importante o uso de sensores que estimem o potencial produtivo da lavoura de maneira precisa e rápida, em tempo real, visando aperfeiçoar a aplicação de N e permitir a aplicação desse nutriente em taxa variável. Essa estimativa pode ser realizada pela caracterização da reflectância, que é a relação entre a radiação refletida pelo dossel e a radiação incidente e está associada à quantidade de biomassa, teor de clorofila nas folhas e potencial produtivo da cultura. Um dos índices de reflectância mais utilizados é o índice de vegetação por diferença normalizada (NDVI - Normalized Difference Vegetation Index), dado pela relação Infra Vermelho – Vermelho) / (Infra Vermelho +Vermelho). Com o resultado em mãos, toma-se a decisão das dosagens a serem aplicadas de acordo com o índice de biomossa, buscando uniformizar o desenvolvimento e produtividade da cultura.

A dose a ser aplicada na semeadura deve ser de 15 a 20 kg/ha, sendo o restante aplicado em cobertura, entre os estádios de afilhamento e de elongação (aproximadamente entre 30 e 45 dias após a emergência). No caso de doses mais elevadas, pode ocorrer o parcelamento em duas aplicações, sendo a primeira no início do afilhamento e a segunda no início do alongamento (MANUAL...2004).

Dada a sua importância, o manejo do nitrogênio tem sido intensamente estudado, no sentido de maximizar a eficiência do seu uso. Para tanto, tem-se procurado diminuir as perdas do nitrogênio no solo, bem como melhorar a sua eficiência na absorção e metabolização no interior da planta.

Quer saber mais sobre as ferramentas digitais e como podemos auxiliar você a ter mais economia e rentabilidade na sua lavoura? Fale com a gente!

WhatsApp bit.ly/dronagro

(55) 9 9682 8530 (Eng. Agr. Guilherme Busanello)

(55) 9 9661 0402 (Eng. Agr. Diego Berté)

contato@dronagro.com.br

A Dronagro acredita no mapeamento aéreo com drones para gerar soluções que auxiliam o agricultor na gestão da empresa rural. Geramos dados que aumentam a sua lucratividade e produtividade e geram mais assertividade e tranquilidade para sua tomada de decisão.

Vamos juntos revolucionar a agricultura brasileira!